Tito La Rosa é descendente dos índios quíchuas dos Andes peruanos. Há muitos anos vem resgatando e preservando, estudando e intuindo a música ancestral do Peru. Ele também é um “Curandero del Sonido”, um curandeiro do som, que entra em um estado alterado para produzir sons que elevam, permitindo que a cura e o equilíbrio ocorram.

A antiga sabedoria andina nos ensina que a Terra foi feita enquanto o criador cantava, portanto todos os seres são feitos de som, ritmo e harmonia. Através de seus concertos, cerimônias de flores e aulas de música, La Rosa ajuda a despertar nossas memórias (memoria antigua), tecendo sons em frequências que abrem o coração e encorajam o espírito a voar. Tito faz, com seus instrumentos e seu sopro divino, uma ponte entre o ancestral e o contemporâneo, entre o céu e a terra, a matéria e o divino.

La Rosa gravou com Mary Youngblood na gravadora Silver Wave. Seu CD de 2002, “A Profecia da Águia e do Condor”, foi indicado ao Prêmio de Música Nativa Americana, como Melhor Gravação de Música Mundial.

Tito La Rosa e a Medicina das Flautas 1

No trabalho das 9 portas da Escola Peruana Del Sonido Curador, Tito La Rosa utiliza diversos instrumentos para desenvolver o processo de cura sonora através das 9 portas. Tito explica o que é a Escola Peruana Del Sonido Curador:

A Escola Peru é um grupo de curadores sonoros, de homens medicina, de mulheres que leem o oráculo e da minha maestra ayahuasqueira Amélia Panduro. Um grupo de pessoas que foram me alimentando e formando essa proposta de cura sonora através das 9 portas.

Entre os instrumentos utilizados neste trabalho das 9 portas, estão diversos tipos de flautas que são usadas nos momentos das portas 4, 5, 6, 9 e também no encerramento do ritual.

O 4º momento é o trabalho com a Mãe. Por que? Porque aí está a sua origem. Volta-se à Mãe, é o único caminho, a relação com a Mãe, com a sua origem, com a cova, com o útero. O 4º momento, a 4ª porta é a mãe das flautas, a Mama Quena. Sempre ao tocar a Mama Quena coloque uma intenção. A intenção é uma vibração energética e a intenção tem que estar acompanhada do Munay (energia do amor). Se a intenção não é acompanhada do Munay, de uma expressão de amor não vai ser transformadora. A intenção sempre vai acompanhada de uma carga muito afetiva da energia do amor. A intenção é que se remeta à Mãe. O som toca muito a sua cavidade central, seu ventre, seu peito, suas mãos. E a intenção que você produz se comunica com você à nível cósmico, mágico. Sua mente provavelmente não entenderá mas o seu corpo sim porque seu corpo tem outros canais que se comunicam cosmicamente, por isso que a intenção é importante, mas tem que ser uma intenção afetiva desde o Munay, desde o coração do som.

Tito La Rosa e a Medicina das Flautas 2

“O 5º momento é o Munay, o amor. Para se abrir a energia do amor, e aqui toca-se a flauta do amor, a flauta dupla, que tem uma vibração masculina e outra feminina e quando tocadas juntas em algum momento se integram e trabalham a energia do amor. O amor como a vibração mais luminosa do universo. Para que? Para curar desde o coração do som, desde o Munay.”

No 6º momento, 6ª porta, trabalhamos um instrumento masculino, a flauta Abuelo. Sua característica é expressar-se através de harmônicos. Ela tem um som central e a partir dele temos harmônicos agudos e graves. Geralmente tem sete harmônicos, às vezes seis. Remete às suas raízes, à sua identidade. É uma vara de poder, um cajado, trabalha o seu centro, o seu poder, sua linhagem masculina. Trabalha tudo isso através dos harmônicos. Eu trabalho muito o som dela batendo a flauta no chão como um cajado. Por que? Porque tem-se que estar aterrado, nem tudo é cósmico, tem que ser ter chão, aterramento eu me conecto muito com os avós, com meus ancestrais. É a flauta dos Abuelos. É um som que trabalha muito na coluna e na memória antiga das pessoas. A coluna é o lugar que recepciona melhor o som, dizem que a coluna é a casa do seu som, que aí ele se alojou. A flauta Abuelo trabalha muito a sua memória antiga, seu pertencimento, suas raízes, sua linhagem masculina, seu poder.

“Na 9ª porta incorporamos a flauta dos Hemisférios clássica e outra que utilizo que é a flauta de som constante, a flauta Pedal. Uma flauta que não nos transmite um nome então vocês podem colocar qualquer nome. Uma flauta que tem um som constante e dentro deste som constante os demais sons se alojam e juntos produzem harmônicos. Já é um momento pra ir fechando, pra se ir preparando o encerramento da sessão”.

No encerramento, uso o tambor de Lua ou Xamânico e em alguns momentos se pode utilizar uma flauta nativa americana em Fá (frequência da Terra) mais grave. Com a flauta nativa se regressa a casa, a mais grave que é usada para se retornar à casa.

– Maestro Tito La Rosa.

Referências:

https://www.osomquenoscura.com.br/post/escola-peru-del-sonido-curador

Site do Tito La Rosa:
https://deusuario.wixsite.com/titolarosa?fbclid=IwAR0YyEsxc3zR5H4vCLIwnCKuCTTmldXb4MCdVdf_uQThb-vYJF7xUAZH90A

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estamos produzindo com prazo estendido  Saiba mais