Home / Histórias / Origem da flauta Nativa Sioux

Origem da flauta Nativa Sioux

A muito e muito tempo, bem antes do homem branco chegar, o povo Sioux, não tinham flautas, existiam tambores, chocalhos, e até berrantes de chifres de touro, mas não existiam flautas. Naquele tempo, um jovem caçador, saiu para caçar, a carne era escassa e o povo estava com fome em seu acampamento. Ele encontrou as trilhas de um alce e as seguiu por um longo tempo. O alce era sábio e rápido. É o animal que possui o encanto do amor. Se um homem tiver a medicina do alce, ele ganhará a mulher que ele amar como esposa. Ele também será um caçador de sorte.

Nosso pobre jovem não tinha nenhuma medicina de alces. Depois de muitas horas, ele finalmente avistou seu alvo. O jovem caçador tinha um novo arco e uma aljava de pele de lontra cheia de flechas boas e retas, com pontos de obsidiana – afiada, preta e brilhante como o vidro. O jovem sabia como usar sua arma – ele era o melhor arqueiro da aldeia – mas o alce sempre ficava fora do alcance, levando o caçador para bem longe. O jovem estava tão concentrado em seguir sua presa que nem percebia por onde andava, e já estava bem longe.

Ao anoitecer, o caçador encontrou-se no fundo de uma densa floresta de árvores altas. As trilhas haviam desaparecido, assim como o alce. Ele percebeu que estava perdido e que estava muito escuro para encontrar o caminho para sair da floresta. Não havia lua para lhe mostrar o caminho. Por sorte, ele encontrou uma corrente de água fresca e limpa. Ele ficou feliz quando lembrou que sua irmã lhe deu um saco de couro cru, que estava cheio de carne seca com bagas e gordura de rins, comida forte que mantém um homem por alguns dias.

Depois que o jovem tinha bebido e comido, ele se enrolou em seu manto de pele, apoiou as costas contra uma árvore e tentou descansar um pouco. Mas ele não conseguiu dormir. A floresta estava cheia de estranhos ruídos – os estranhos gritos de animais noturnos, das corujas, o gemido de árvores ao vento. Ele já ouviu todos esses sons antes, mas agora parecia que ele os ouvia pela primeira vez.

De repente, houve um som totalmente novo, do tipo que nem ele nem nenhum outro homem já experimentaram antes. Foi muito triste, triste e fantasmagórico. De certa forma, ele o deixou com medo, então ele puxou o manto bem perto dele e alcançou o arco, para se certificar de que estava devidamente amarrado. Por outro lado, este novo som era como uma música, linda além da imaginação, cheia de amor, esperança, anseio.

E então com a noite a mais da metade, ele de repente adormeceu. Ele sonhou que um pássaro chamado Wagnuka, o pica-pau ruivo, apareceu a ele, cantando a estranha e bela nova música, dizendo: “Siga-me e eu vou ensinar você”.

Quando o caçador acordou, o sol já estava alto. Num ramo da árvore contra a qual ele estava inclinado, viu um pica-pau ruivo. O pássaro voou para outra árvore e para outra, mas nunca muito longe, olhando para trás, para o jovem, como se quisesse dizer: ” Venha! ”
De repente, houve uma rajada de vento, e mais uma vez, o caçador ouviu aquela música maravilhosa e seu coração desejava encontrar o cantor. O pássaro voou em direção ao som, levando o jovem, seu topo vermelho flamejante flutuando pelas folhas, facilitava seguí-lo. Por fim, o pássaro pousou em uma árvore de cedro e começou a tocar e martelar em um ramo morto, fazendo um barulho como o batimento rápido de um pequeno tambor. De repente, houve uma rajada de vento, e novamente o caçador ouviu aquele lindo som bem perto dele.

Então ele descobriu que a música veio do ramo morto que o pica-pau estava trabalhando com seu bico. Ele descobriu, além disso, que era o vento que fazia o som enquanto assobiava através dos buracos que o pássaro tinha perfurado no ramo. “Kola, amigo”, disse o caçador, “deixe-me levar este ramo para casa. Você pode fazer outro. “Ele pegou o ramo, um pedaço de madeira oco do comprimento do antebraço e cheio de buracos. O jovem voltou para a aldeia. Ele não tinha carne para levar a sua tribo, mas ele estava feliz assim mesmo.

De volta a sua tipi, ele tentou fazer o ramo morto cantar para ele, mas não surgiu nenhum som. E o jovem ficou muito triste. Ele queria tanto ouvir novamente aquele maravilhoso som.

Então, ele purificou na tenda do suor, subiu ao topo de uma colina solitária. Lá, nu, descansando de costas contra uma grande rocha, ele jejuou por quatro dias e quatro noites, chorando por um sonho, uma visão para ensinar-lhe como fazer o ramo cantar. No meio da quarta noite, Wagnuka, o pássaro com o ponto vermelho flamejante em sua cabeça, apareceu-lhe, dizendo: “Me observe”, transformando-se em um homem, mostrando ao caçador como fazer o ramo cantar, e em sua visão, o jovem observou com muito cuidado.

Quando ele acordou, ele encontrou uma árvore de cedro. Ele cortou um ramo e, trabalhando muitas horas, esvaziou-o com uma broca de corda, assim como ele viu o pica-pau fazer em seu sonho. Ele esculpiu no ramo uma forma dos pássaro com um pescoço longo e um bico aberto. Ele pintou com washasha, a cor vermelha sagrada. Ele rezou. Ele fumou o ramo com sálvia ardente e cedro. Ele tocou os buracos como ele tinha visto o homem-pássaro fazer em sua visão, entretanto soprando suavemente no bocal. De repente, ouve a música de assombro e beleza além de palavras. Ele foi tocando sua flauta por todo o caminho até chegar na aldeia, onde as pessoas ficaram surpresas e alegres de ouvi-la. Com a ajuda do vento e do pica-pau, o jovem trouxe-lhes a primeira flauta.

Na aldeia vivia um Itanchan – um grande chefe. Este Itanchan tinha uma filha que era linda, mas também muito orgulhosa, e convencida de que não havia um homem jovem suficientemente bom para ela. Muitos já haviam cortejado, mas ela tinha evitado todos eles. Agora, o caçador que tinha feito a flauta decidiu que ela era apenas a mulher para ele. Pensando nela, ele compôs uma música especial, e uma noite, de pé atrás de uma pequena árvore, ele tocava em sua siyotanka na esperança de que ela pudesse amá-lo.

De repente, a Winchinchala – garota, ouviu. Ela estava sentada na tenda dos seus pais, comendo carne e linguiça de búfalo, sentindo-se bem. Ela queria ficar lá, na tipi junto ao fogo, mas seus pés queriam sair. Ela puxou para trás, mas seus pés puxaram para a frente, e os pés ganharam. Sua cabeça disse: ” Vá devagar, vá devagar! “, Mas os pés diziam: ” Mais rápido, mais rápido! ” Ela viu o jovem de pé ao luar, ouviu a flauta. Sua cabeça disse: ” Não vá até ele, ele é pobre. ” Seus pés diziam: ” Vá, corra! ” E novamente os pés prevaleceram. Então ficaram cara a cara. A cabeça da menina disse a ela para ficar em silêncio, mas o coração disse para falar, e ela falou, dizendo: ” Koshkalaka, Jovem, eu sou sua completamente.”

Então eles se deitaram juntos, o jovem e a Winchinchala, sob um cobertor. Mais tarde, ela disse a ele: “Koshkalaka, washtelake”, disse ela. “Jovem, eu gosto de você.”. Deixe seu pai enviar um presente para meu pai, o chefe. Não importa o quão pequeno, será aceito. Deixe seu pai falar por você para o meu pai. Faça isso em breve ! Faça isso agora!

E assim os dois pais concordaram rapidamente com os desejos de seus filhos. A orgulhosa Winchinchala tornou-se a esposa do jovem caçador, e ele mesmo se tornou um grande chefe. Todos os outros jovens ouviram e viram. Logo, eles também começaram a destruir galhos de cedro nas formas das cabeças de pássaros com longos pescoços e bicos abertos. E assim, a bela música de assombro e amor viajou de tribo em tribo, até preencher toda a pradaria. E assim que a siyotanka foi trazida ao povo, graças ao alce, ao pica-pau, ao vento e a este jovem caçador, que não atirou em nenhum alce, mas sabia como escutar.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
WhatsApp